30 de abr de 2009

27 de abr de 2009

Obama neles!

1984



1984

Faz cuatro anos em Barcelona, Espanha, o prefeito votou uma lei chamada “lei de civismo” que junto com uma campanha mediatica, criminalizava todo tipo de atos no espaço publico com o objetivo de combater o “vandalismo” juvenil: fazer chi chi numa arvore, se-sentar na calçada, pedir esmola, tocar musica, etc. Todo diventou ilegal.
Um municipio da grande São Paulo começou em 2001 um programa de combate à violencia contra a mulher que recebeu os parabeins da comunidade internacional. Não só diminuiram esses crimes, mais tambem os furtos, estupros e assasinatos.
A base do programa é a video-vigilancia permanente do espaço publico. A PM consegue chegar no local do ilícito entre 2 e 5 minutos depois. À vigilancia permanente se suma mais policiais na rua, o toque de queda e a “lei seca”: tudo tein que fechar às 23 horas e tudo mundo ir para casa.
O problema não é tanto o que estão fazendo, mas o que pouco a pouco vamos deixando que aconteça. Se é legal filmar nossos movimentos, gravar nossas conversas no telefone (daqui a pouco tal vez gravar nossas conversas na rua?) e usar os nossos dados pessoais, o paso seguinte não será prossimo a o Big Brother orwelliano? O à tàtica Bush: em nome do Bem e pra evitar cualquer tipo de terrorismo o crime, a vigilancia, a captura, interrogação, a guerra contra tudos e ninguem. A policia do pensamento já existe.
As sociedades totalitarias –como o Brasil da ditadura- têm indices baixos de criminalidade. Mais queremos pagar o preço? Será que não têm outras formas de combater a criminalidade?

FUTEBOL X FORMULA 1



Dr. Tupi

O que faz do futebol ser um esporte tão amado pelas pessoas? Essa e a pergunta que faço aos inter-nautas que visitam essa pagina internautica chamada ONG Pi. O futebol atravessa fronteiras, dribla linguais e religiões e carimba um golaço nos corações das pessoas. Aqui na terra da Rainha não e nada diferente daquilo que vemos abaixo do equador; como já sabemos através dos famosos hooligans e seus atos de violência gratuita. E nesse meio campo existem pessoas como que vos fala que nada sente por futebol ao não ser meras pulsacoes de patriotismo em meio a uma copa do mundo.
Chegamos então a segunda pergunta: Por que ninguém se importa com a formula 1? Será ela o patinho feio do mundo dos esportes. O que falta para a formula 1 entra nos corações da massa ? Talvez um piloto carismático como Ayrton Senna;mais isso já temos com o Felipe Massa e o Rubens Barrichello. Correção então, um piloto rápido, habilidoso e carismático como Ayrton Senna.
Vou sugerir uma resposta para as duas perguntas. O que emociona, motiva, e leva ao desespero aos fãs de futebol e o fator time, isso e, um grupo de pessoas lutado por um único objetivo. Talvez por isso esportes como formula 1, tênis, xadrez, ping-pong, boliche e futebol de botão não despertam o menor interesse. Assim sendo peco aos inter nautas para se juntar a mim na singela causa de transformar a formula 1 em um esporte das massas. E o nosso primeiro ato e mandar uma carta para o dirigente máximo da formula 1, Max Mosley, pedindo para colocar além do piloto mais 5 pessoas no carro. Será que funciona? Sugestões por favor.

A lenda do fenômeno e o disco voador





Olmeca de Tlachtli

Caros amigos, que jogão tivemos ontem na Vila Belmiro!!
Santos e Corinthians fizeram o primeiro jogo da grande final em alta tensão, para um público de mais de 17.000 pessoas, que eu considero surpreendente, pelo valor absurdo cobrado pelos ingressos – R$ 80,00 o mais barato! – gerando uma renda de mais de um milhão de reais (Má Oê!) para o time da baixada.
Por que falar de público? Porque só dois grandes jogadores para trazer um público desse para um jogo com um valor de partida européia: por ordem de grandeza: Ronaldo e Neymar.
Era para ser o duelo final, Luke Skywalker VS Darth Vader. Mas, nessa batalha estelar, quem realmente deu um show foi Ronaldo Fofômeno.
O Santos – como era de se esperar – veio para cima, como de praxe, quando joga no caldeirão da Vila. O timão parecia uma cobra, esperando para dar o bote, que veio logo no início do jogo: falta em cima de Morais, após belo lançamento de Douglas. Chicômeno bateu com categoria e matou Fábio Hooligan Costa. 1 x 0 pra o Corinthians e um belo balde água fria no peixão.
O peixe pressionava sempre pelo lado esquerdo do campo, com o infernal Madson Duracell e Farinha de Triguinho. Mas, o que se via era um Santos sem objetividade, numa tarde em que Klebão Pereira estava tendo dias de Souza – fato raro num matador nato – perdendo inúmeras chances de gol e consagrando o goleirão Felipe.
E como o futebol é cruel, o peixe pagou caro por isso.
Num bate-rebate no meio de campo, um balão acabou “dormindo” no pé logo de quem? Do Ronaldo Fofômeno, que após esse domínio sensacional tocou na saída de Fábio Hooligan Costa para ir pra galera e deixar os torcedores santistas incrédulos: 2 x 0 e um silêncio que deixou até o Rei Pelé com a espinha arrepiada.
Final de primeiro tempo: Santos 0 x 2 Corinthians.
Começou o segundo tempo da mesma forma que havia começado o primeiro, com o Santos pressionando e o Corinthians jogando no contra-ataque.
Mano Menezes tirou Jorge Cover do Romário Henrique e colocou Fabinho Dedinhos para cobrir a avenida que estava o lado esquedo do timão.
Não adiantou muito, pois o que se viu no segundo tempo foi o mesmo filme do primeiro: o peixe atacando ferozmente pelo lado esquerdo, abafando a saída de bola do timão. Mas, como na primeira etapa, sem concluir com objetividade.
Até que, numa falha de Felipe, o cruzamento de Farinha de Triguinho acabou morrendo no fundo do gol corinthiano, fazendo jus ao famosíssimo “gol cagado toca e me voy”, que é aquele em que o cara, de forma maquiavélica, finge que joga no time adversário, se aproveitando da ingenuidade do jogador oponente e toca a pelota com certa força, obrigando o adversário a fazer o toca e me voy – a famosa tabelinha – e tocando a bola contra a própria meta. 2 x 1 , mostrando que o peixe pode virar piranha quando quer.
Mas, como o replay do primeiro tempo, outra bola dividida na frente sobrou para Elias Maluco, que rapidamente correu com a bola e tocou para ele, Ronaldo Fofômeno, que deu um corte sensacional em Farinha de Triguinho e falou para Fábio Hooligan Costa: “Olha o disco voador!” e ele olhou. 3 x 1 e que golaço alienígena!!!
Aí o Corinthians fechou e lacrou o caixão do Santos.
Vai ficar muito difícil para o time da Vila Belmiro virar o jogo contra uma equipe que está invicta e que não toma três gols há muito tempo.
Assim termina a lenda do fenômeno e o disco voador, que dizem ter 17.000 testemunhas! Quero ver o governo desmentir essa!

24 de abr de 2009

A.L.



O Gringo Ignorante

Na “Cumbre das Americas” o presidente Hugo Chavez deu de presente para seu par norteamericano o livro de Eduardo Galeano “Las venas abiertas de América Latina”. Esse livro apresenta uma historia politica e economica das nossas nações desde o descubrimento até os nossos dias (aproximadamente). Denunciando a historia oficial e os manuais escolares, começa com um fato ineludível: a nossa America se inseriu no mercado capitalista subordinada a um cruel colonialismo e a dos grandes massacres: a dos indigenas e a dos escravos. Desde aquele tempo a exploração dos recursos do solo e dos povos latinoamericanos por centros de poder europeus, e norteamericanos logo, não para em nome do comercio e da civilização. Alguns vendem o que é de tudos, ficam com o lucro e passam para tudos o que envolve esse negocio: inflação, precariedade salarial, desemprego, des-educação, crise sistemática.
O livro e maravilhoso, se baseia numa seria investigação, contem muitas referencias bibliográficas, históricas e estadísticas. Um dos seus constantes referentes e o gigante Darcy Ribeiro, só que o Galeano escreve de um jeito muito mais poetico e literario que o Darcy, mais cientifico. Como é que nesse pais se fala tão pouco desse imenso Darcy Ribeiro? E se nas nossas escolas a gente tivesse pra ler a Darcy, Galeano, Martí, Mariátiegui, etc, etc? Não é uma questão de ser de esquerda, senão de ser críticos enquanto da pra mudar a nossa realidade.

21 de abr de 2009

Reforma agrária nas comunicações



Hector Plasma

O ministro das Comunicações fez de tudo para que gorasse. A Globo finge que não é com ela. As outras emissoras fazem o mesmo. A mídia corporativa quando ouve sobre o assunto assovia e dá linha na pipa.

Mas, apesar de todas as resistências, será realizada a 1ª Cofecom, a Conferência Nacional de Comunicação.

A Cofecom discutirá a democratização dos Meios de Comunicação, envolvendo a televisão aberta, a rádio, internet, as telecomunicações por assinatura, o cinema, mídia impressa e o mercado editorial, tanto público quanto privado.

Com certeza esbarrará em temas que os coronéis midiáticos escondem de nós sem medir esforços, como a propriedade cruzada (Sarney é dono de jornal, rádios e televisão) e a posse de concessões públicas por políticos que é proibida pela Constituição (Sarney, além ser dono de jornal e ter concessões públicas de rádios e televisão é Senador).

Na Cofecom será possível colocar na mesa. e às claras, a concentração do espectro midiático nas mãos de poucos, e sempre os mesmos, e quiçá propor saídas para a comunicação popular e comunitária.

Mas não espere ter notícias sobre ela na mídia corporativa. Se quiser saber mais acesse proconferencia.com.br ou direitoacomunicacao.org.br


17 de abr de 2009

eternidades




Fernanda Pompeu

Meu amor por materiais de papelaria – cadernos, lápis, canetas, borrachas, bloquinhos – funcionou como amortecedor para um trauma da infância.
Conto: ao entrar na escola, no lugar da balbúrdia, ouvi ais e sussurros. Maria do Socorro (a quem chamávamos Mary Help) havia morrido. Ela tinha sete anos. As professoras, entredentes, comentavam: meningite meningocócica.
Daí era certo que se morria. Era fato que se findava, se acabava, se evapora, se desencarnava, se desencantava, se dissolvia. Não só os velhos, crianças também.
A diretora, magérrima e mandona, organizou a saída. Todos em fila indiana, expressamente proibidos de articular perguntas. Muitos de nós íamos para o primeiro enterro de nossas vidas.
Caminhos em zigue-zague। Chão de terra batida. Um sapo saltou. Um medo sem fim. Meus sapatos nas pedrinhas sopravam: a morte é isso. A morte é isso
No momento do sepultamento, começou uma chuva fininha. Ventava, os ciprestes envergavam.Tudo parecia aumentar os decibéis da tristeza. O caixão miúdo, o pranto dos pais, os cenhos sisudos dos adultos, nossos arregalados olhos.
Novamente, nos puseram em fila indiana. Então, bem aos meus pés, eu a encontrei. Abaixei rapidamente. Peguei com força. Era uma borracha Faber-Castell, das grandes. As que minha mãe comprava eram pequeninhas.
O coração sossegou. A borracha desembaralhou os nós da garganta. Teci um consolo: se Mary Help não tivesse morrido, eu não teria encontrado a Faber-Castell.

16 de abr de 2009

Adriano, o Lúcido


Adriano, o Lúcido




por Hector Plasma

Mais importante dos que os feitos dos reis, imperadores e tiranos, está o adjetivo que a história lhes cunham.

O czar Ivan foi coroado como "o Terrível", pois não media esforços para atingir seus objetivos.
Vlad, recebeu o título de "o Empalador". Para unificar a Valáquia, segundo o mito, não poupou crueldade e empalava seus inimigos e prisioneiros.

Adriano, já pode levar o adjetivo de 'O Lúcido". Não matou ninguém, nem sequer derramou uma gota de sangue. Fez pior, rompeu com o império do show bussiness e da mídia corporativa.

Fez o impesável.

Quando decidiu parar, a mídia corporativa não mediu esforços para explicar seu ato. Compôs versões e escalou um pelotão de psicólogos e psiquiatras para justificar a "confusão mental" vivida pelo craque.

O ato de Adriano, o Lúcido, é revolucionário. Imagine se as pessoas comecem a tomar consciência da máquina de moer carne em que vivemos. Imagine se seu chefe engravatado, repleto de MBA's e línguas estrangeiras, perceba que o trabalho não tem sentido e que a verdadeira vivência está em sua comunidade, o que aconteceria?

É o rompimento.

Mas, ao meu ver, o que Adriano, o Lúcido, fez mesmo foi um ato estético ao cristalizar o que poetou Álvaro de Campo (Fernando Pessoa) na "Passagem das Horas":

A vida chega a doer, a enjoar, a cortar, a roçar, a ranger,
A dar vontade de dar gritos, de dar pulos, de ficar no chão, de sair
Para fora de todas as casas, de todas as lógicas e de todas as sacadas,
E ir ser selvagem para a morte entre árvores e esquecimentos,
Entre tombos, e perigos e ausência de amanhãs,
E tudo isto devia ser qualquer outra coisa mais parecida com o que eu penso,
Com o que eu penso ou sinto, que eu nem sei qual é, ó vida.


Adriano, o Lúcido, cometeu o maior pleonasmo que poucos seres teriam coragem, saiu para fora de todas as casas, de todas as lógicas e de todas as sacadas.

Ad vitam aeternam Imperador!

15 de abr de 2009

Freiras

Cuba

14 de abr de 2009

Novos Colonialismos



O Gringo Ignorante

Se esta travalhando numa nova legislação indígena, com o objetivo oficial de tornar os índios sujeitos de direito como tudo mundo, porém, como sempre, parece que essa igualação não procura o seu bem-estar e sim de lhes dotar de obrigações. Eles poderão ir para cadeia se cometerem um crime poque eles “são capaces de distinguir o que está bem e o que não” após um julgamento com peritos antropólogos mediante.
Entretanto, o fundamental da lei é que permite a exploração mineral do solo índio quando isto for uma “questão nacional”. É obvio que sempre virará uma questão nacional quando o assunto envolva muito dinheiro e que dependerá da pressão bem sucedida dos grandes poderes. Tudo bem, os índios recebem uma parte do volume total de extração (alguém acredita?) a cambio de emprestar suas terras para o trabalho de mineração e serem damnificados em caso de acidentes, os quais são moeda corrente na exploração mineira e de recursos naturais. Se o ar, as águas, o a terra ficarem contaminados o destruídos, se o seu espaço ficasse inutilizável, se compensará devidamente aos moradores. E essa compensação pecuniária, si é muito, acabará degenerando a comunidade; si é pouco, não servirá de nada. O objetivo da lei é igualar os índios a nós. Será que eles querem?

Você não entende nada...



Texto: Fórina

De um curso para professores de inglês em que a maioria dos trainees eram locais aqui na terra em que ainda há uma rainha, me sobrou a impressão de que o desconhecimento a respeito da natureza da linguagem é muito mais disseminado e provavelmente nefasto do que muitos de nós podem ou querem perceber.
Eu poderia falar do mesmo assunto a partir de vários exemplos colhidos aí na terra onde o Tupi (ou a Língua Geral) teria possivelmente se estabelecido como a língua nacional, não tivesse o seu uso sido proibido pelo Marquês de Pombal – será daí que vem o medo tão grande de “falar errado”? Mas falar do ponto de vista de um conterrâneo que sofre as consequências do fenômeno em terra estrangeira deve gerar maior empatia... pois bem, e não é que com toda a variedade de dialetos existente não só na ilha, além daqueles relativos aos países que tem o inglês como língua oficial, a idéia de que há um (único) jeito “melhor” de falar ainda triunfa por aqui? E que a “incapacidade” de utilizar tão nobre variedade é na verdade um atestado de ignorância com relação a assuntos gerais?
Que eles tenham birra com os americanos é até compreensível, mas a antipatia se estende em direção a qualquer dialeto que seja diferente do falado pelo portador da opinião, frequentemente irresoluta – e imaginem em que posição ficará o estrangeiro, por mais que tenha passado anos e anos a estudar sua sacrossanta língua. Mas a idéia é encravada, tanto que se você pede ajuda com o significado de uma palavra nova – digamos que tenham usado um termo a que você não estava acostumado para se referir a flores em botão, receberá uma aula em botânica, como se nunca tivesse compartilhado o mesmo espaço do que um vegetal na vida.
Pois é boa a lição para aqueles que se “recusam” a entender o que é falado, em sua própria língua, com sotaque ou vocabulário assim ou assado, ou aos que perdem anos tentando emular os tais “falantes nativos” só para descobrir que para tantos deles chamarão bem mais a atenção as diferenças do que as semelhanças, para o bem ou para o mal...

O Mundo Gira



Dr. Tupi

Na Formula 1 a mentira tem perna curta. Ou pelo menos para a McLaren e Lewis Hamilton que tentando corrigir uma burrada com uma mentira abusada fizeram uma tremenda cagada.
Na Itália refresco no “C” dos outros e pimenta. Ou pelo menos para o primeiro ministro, Berlusconi, que disse para o povo Italiano que as vitimas do terremoto em L’Aquila, aquele que matou quase 300 pessoas e destruiu uma cidade inteira, deveriam curtir o tempo que estão passando nos abrigos como se fosse um acampamento de ferias.
E nos Estados Unidos da América nem tudo que fede e’ merda. 58 casos de Norte-Americanos do “USA” que surtaram e saíram atirando nas pessoas no ultimo mês. Repito: 58 casos no ultimo mês. Nesse ritmo será que vai sobrar algum Norte-Americano do “USA” no mundo? Mais fácil que fazer guerra e esperar o inimigo se matar. Um aviso para os inimigos.

13 de abr de 2009

ctrl del



Fernanda Pompeu

Esqueci do rosto da primeira professora. Mas lembro da mão dela sobre a minha me ensinando a grafar a letra h. Esqueci o nome da amiguinha que sentava ao meu lado, mas lembro que ela desenhava borboletas no caderno de caligrafia.
Recordo a delícia do primeiro beijo de língua, mas não lembro da boca de quem beijei. Recordo a euforia ao publicar o texto de estreia, mas escapa-me o título e o assunto.
Lembro das histórias que minha avó Afonsina narrava, todas ambientadas no seu amado Ceará. Apuro os sentidos da afeição, mas o tom de sua voz não vem.
Não esqueço o tapa que uma estranha estalou na minha cara. Não esqueço que era de manhã e que o sol estava inclemente. Mas, por mais que me esforce, não lembro de como reagi.
Recordo de um homem atropelado por um bonde na cidade do Rio de Janeiro. Lembro que ele era jovem. Lembro que era negro. Porém não sei contar o quanto durou sua agonia.
Perdi um cachorro de estimação, mas não lembro em que rua, em que cidade, em que país. Não sei quando perdi uma memória que carregava comigo. Só recordo que foi num dia desses.

Jesus Christian



Olmeca de Tlachtli

Que semifinais!!!

No sabadaço, Santos e Palmeiras fizeram um jogaço na Vila Belmiro.

No domingão, Corinthians e São Paulo fizeram um jogo impróprio para cardíacos!

Vamos começar pelo começo:

Quem esperava que o Santos partisse para cima do verdão desde o início tomou um susto, ao ver o gol relâmpago de Keirrison Sucrilhos, o Kalsio 9. O artilheiro do leite ninho não decepcionou e bateu duas vezes para abrir o marcador na Vila.

Susto para a torcida santista. Festa no chiqueiro!

Mas, logo depois, em um escanteio da direita, a bola cruzou toda a área palmeirense e sobrou limpinha, pra ele, justo ele, Klebão Pereira, o fanfarrão K9 santista, finalizar com força e ver Marcos ser traído pelo desvio da pelota.

Primeiro tempo de muita correria e muita dedicação dos jogadores, mas ficando no 1 x 1.

No segundo tempo, o peixe veio com muito apetite, e numa bela jogada do ataque santista, a bola sobrou para o menino etiópia: Neymar+io, que deu um belo giro e bateu no contrapé do Marcão. 2 x 1, com direito a dança de Voodoo do meninão sem Sustagem.

Para piorar, Keirrison Sucrilhos perdeu um gol incrível, chutando a bola lá na bandeira de escanteio, enquanto o Santos partia pra cima com o Madson Duracell, que não parava de infernizar sequer pior um minuto a zaga do Palmeiras.

Fim de papo: Santos 2 x 1 Palmeiras, agora a vantagem do empate é do time da Vila Belmiro.
veja o vídeo

Já no Domingão, o Corinthians veio babando pra cima do São Paulo logo no início da partida. Mas, sem obter muito sucesso em suas investidas, o ticolor acabou tomando conta do 1º tempo.

Aliás, até Ronaldo Fofômeno começou nervoso, e acabou fazendo uma falta violenta em André Marrento Dias. Também, quem mandou o André entrar com meio ovo de páscoa dentro do meião, ao invés de usar as CANELEIRAS? Pediu, levou!

E veio o gol: numa falta boba gerada pelo André Avenida Santos, Jorge Wagner colocou a bola na cabeça de “Miranda Mirandinha, vamos todos Mirandar”, que meteu o cocoruto nela e abriu o placar para o tricolor: 1 x 0.

Aí, o timão mostrou sua força no Pacaembu e deu o troco imediatamente: Elias Maluco, pegou uma bola da direita, passou por dois marcadores e meteu um bicão nela, fazendo o chamado “gol cagado colossal”, que é aquele em que você vem correndo que nem um trator, passa incrivelmente por todo mundo e de repente, se vê na cara do gol. O que você faz? Hein? Hein? Fecha os olhos e mete aquele bicão nela, claro!. E foi exatamente o que ele fez, 1 x 1 sem chance para Rogério Ceniculpa de gols.

Ainda teve tempo de “Miranda Mirandinha, vamos todos Mirandar”, meter a jaca nela mais uma vez e Elias Maluco salvar em cima da linha, também com sua jaca imensa. O tricolor claramente utilizava sua jogada mais letal: as bolas altas na área.

Veio o segundo tempo e o jogo continuou tenso, pegado e muito disputado.

Mas, o equilíbrio acabou quando numa bobeira da zaga tricolor, a bola sobrou limpa para Elias Maluco, que sofreu dura falta de André Marrento Dias. O juizão deu seqüência ao lance, onde Douglas Soneca rolou bola açucarada para ele, Ronaldo Fofômeno, que ao ver todo aquele açúcar na bola, meteu o sabugo nela, mas Rogério Ceniculpa de gols fez uma defesa sensacional, salvando o São Paulo.

Mas, ele não pode salvar o André, que já tinha cartão amarelo e foi pro chuveiro mais cedo. O tricolor ficava com um a menos.

Aí o timão veio que veio! Era uma atrás da outra, e Rogério praticava milagres sucessivos – e bizarrices também! – mas o que interessava era que a pelota teimava em não entrar. Até quando Jorge Cover do Romário Henrique conseguiu perder o gol mais feito da sua carreira.

Aí parecia que realmente o jogo ia terminar empatado, o que pelas condições, estaria de bom tamanho para o tricolor manter sua vantagem nas semifinais.

Eis que, aos 47 minutos do segundo tempo, Jorge Wagner resolve prender a bola na lateral esquerda, esperando pela falta – que não veio – no meio de três corinthianos, e ele, o onipresente volante corinthiano, Jesus Oh My God Christian, roubou-lhe a bola com soberba facilidade e correu, para meter um pombo branco da paz sem asa no canto esquerdo de Rogério. Um gol divino, e indefensável, óbvio.

O Pacaembu veio abaixo, 2 x 1 para o Corinthians, e a vantagem veio para seu lado. Agora é aguardar a batalha do Morumbi no domingo que vem.
veja o vídeo

Esse Paulistão está estrogonoficamente emocionante!!

12 de abr de 2009

História costura torto, mas com agulha reta


História costura torto, mas com agulha reta

por Hector Plasma

1786 - O estudante mineiro José Joaquim de Maia envia uma carta a Thomas Jefferson, futuro presidente dos EUA, pedindo suporte dos norte-americanos para a independência brasileira.

"Sou brasileiro e sabeis que minha desgraçada pátria geme em um espantoso cativeiro, que se torna cada dia menos suportável, desde a época de vossa gloriosa independência, pois que os bárbaros portugueses nada pouparam para nos tomar desgraçados, com o temor que seguíssemos os vossos passos (...) Isto posto, senhor, é a vossa nação que acreditamos ser a mais indicada para nos dar socorro, não porque ela nos deu o exemplo, mas também porque a natureza nos fez habitantes do mesmo continente e, assim, de alguma maneira, compatriotas"

1941 - Monteiro Lobato é condenando por crime contra a segurança do Estado após escrever uma carta a Getúlio Vargas alertando a "displicência do sr. presidente da República, em face da questão do petróleo no Brasil, permitindo que o Conselho Nacional de Petróleo retarde a criação da grande industria petroleira em nosso país, para servir, única e exclusivamente, os interesses do truste Standard-Royal Dutch"

1942 - Brasil e EUA assinam acordo pelo qual os norte-americanos assumem o financiamento do que seria a primeira usina siderúrgica nacional e em troca instalariam uma base militar em Natal.

1964 - EUA apóiam o golpe militar que derrubou Jango.

1958 - O Brasil faz o primeiro empréstimo no FMI

1982 - Durante um almoço em Brasília, o presidente Ronald Reagan propõe um brinde “ao povo da Bolívia”.

2005 - Brasil quita suas dívidas com o FMI

2006 - Brasil declara sua auto-suficiente em petróleo

2009 - FMI passa a ser devedor do Brasil

2009 - Obama chama Lula de “o cara

9 de abr de 2009

Cellnado

8 de abr de 2009

Pela vida dos números



O Gringo Ignorante

O privilegio do calculo e da utilidade nas nossas sociedades conclui na barbaridade da morte e da violência gratuita que a gente esta vivendo: na pobreza da experiência e na desvalorização da vida. Os estudos antropológicos estiman que as nossas sociedades civilizadas aonde predomina a ordem, regularidade e estabilidade são o resultado de um processo comprido e misterioso a partir de sociedades aonde predominavam as experiências “chamanicas”, com o uso exemplar da máscara nos rituales mágicos. Através dela o chaman encarnava as forças da natureza e a comunidade entrava num delírio que a unia social, política e religiosamente, deixando atrás o cotidiano e individual.
Na Grécia, que tudo mundo cita em forma abusiva, os primeiros pitagóricos conceviam números concretos, com forma e figura, representáveis em triângulos, cuadrados, rectangulos. Aliás estavam em seqüências musicais relacionadas com três acordes fundamentais e poseiam virtudes distintivas (justiça, destino, etc. Ver E. Brehier para ampliar). Essa visão os aproximava mais aos jogos de dados e dominó (o dominio do jogo) que às cifras abstratas do calculo científico aonde finalmente acabariam.
Na historia das culturas abundam exemplos como este aonde algums antropólogos culturais vêm uma parte da mudança lenta e misteriosa das sociedades onde predominó a Grande razão do corpo frente a pequena razão da mente. Onde o milagro e o éxtasis ainda não davam passo à explicação e o calculo. “Ali aonde podemos adivinar odiamos o deducir”.

6 de abr de 2009

Mata-Mata!



Olmeca de Tlachtli

SENSACIONAL!!

Os quatro grandes de São Paulo chegaram para o mata-mata.

A classificação do Santos foi nos acréscimos da sétima, das sete ondinhas pra Iemanjá no final do ano!

A Lusa. Dançou o vira novamente. Estava quase lá, sentindo o gostinho da classificação, quando la mano de la Puta Madre que Parió, do zagueirão da Ponte Preta Jean, causou a penalidade máxima a favor do Santos.

Nessa altura eram 43 minutos do segundo tempo, e a Lusinha viu sua vaga ir embora, como uma onda no mar (essa era, com certeza, a sétima ondinha que eu citei há pouco).

Os dois times – Portuguesa e Santos – alternaram de posição diversas vezes ao longo de suas emocionantes partidas.

A Ponte Preta chegou a fazer 2 x 1 no peixe, e tomou a virada aos 43, com três gols dele, do predestinado Kleber Pereira. Final, Ponte Preta 2 x 3 Santos.

O Kleber fanfarrão Pereira deveria ter um busto na Vila Belmiro. O que o cara salvou o time da vila de vexatórios resultados ultimamente, não é brincadeira.

No Santos, é Klebão + 10!
veja o vídeo

Já a Lusa, fez sua parte e ficou todo tempo a frente do placar, contra o bom time do Santo André. Somente no final do jogo tomou um golpe: Portuguesa 2 x 1 Santo André. Edno ficou desolado com a desclassificação.

É lusinha, roda-roda vira, solta roda e vem... Com certeza, na Portuguesa, se der uma chuva de Xuxa, no colo deles cai Pelé.

Já o Palmeiras, balançou, mas não perdeu a liderança.

Saiu perdendo do Botafogo, com um gol de Betão, que fez nada mais nada menos do que o famosíssimo “gol cagado de rapina”, que é aquele em que você vê o goleiro adversário adiantado, sabe que não tem a categoria pra fazer, mas mete o dedão nela e reza pra encobrir o goleirão. E deu certo!!! O Palmeiras via, então, a liderança sair de suas mãos.

O goleirão Bruno esteve irreconhecível nLinko jogo de ontem. Saiu catando borboleta e a pelota morreu no fundo do gol.

Mas ele, o coalhada versão hermana, o URtigoza, foi lá e tratou de empatar o jogo para o verdão, depois de entrar no intervalo. A liderança ainda estava sendo perdida.

Até que, ele, Diego Souza, foi lá e tratou de tomar a liderança das mãos do tricolor. Final de jogo, Palmeiras 2x1 Botafogo, e a vantagem nas semifinais.
veja o vídeo

O tricolor do Morumbi, viu a liderança em suas mãos, mas não dependia somente de suas forças para levar a ponta da tabela.

André jogador de pebolim Lima, - acreditem – marcou um gol!!! SIM! Ele fez um gol, impedido, mas e daí? Ele é café-com-leite, e o juizão sabia disso! O tricolor saiu na frente! Que beleza, André! Força garoto, um dia você será profissional.

Renato Silva, aproveitou boa cobrança de falta e meteu a jaca nela para fazer 2 x 0 para o tricolor. Detalhe: mais um gol na banheira. Só faltou dar uma cadeira para ele e um copo de Synar para o Renatão ficar bem a vontade, de tão impedido que ele estava.

O bom Luan descontou para o São Caetano, em forte chute. 2 x 1.

Aí, ele, o Rogério Ceniculpa em nenhum gol, foi lá e fez a lambança completa, entregando o saco de batata de mão beijada, para o viciado em batatas, Marcelo Batatais, que foi com muita sede ao pote e empatou o jogo. Final, São Caetano 2 x 2 São Paulo e a vantagem contra o Corinthians nas semifinais.
veja o vídeo

Já o Corinthians, saiu tomando uma paulada, 2 x 0 do Mirassol, e só acordou para o jogo com um gol de pênalti do zagueiro-artilheiro, Chicômeno.

No segundo tempo, o que se viu foi uma aula de como perder gols em 45 minutos, com as lições do Professor Mestre Doutor, Souza. Que, apesar de não estar nem em campo, sua influência espiritual sobre os outros jogadores do timão foi quase que transcedental.

Mas, Dentinho era um péssimo aluno dessa classe e tratou de meter o coco nela, num bom cruzamento de André Avenida Santos, e empatou o jogo, mantendo a invencibilidade do timão, mas perdendo a chance de ter a vantagem no mata-mata contra o São Paulo.
veja o vídeo

Fazia muito tempo, desde o ano 200, que não tínhamos uma semifinal com os quatro grandes.

Esqueça a família, namorada, amigos, cachorros. Agora, é com o coração na ponta da chuteira, e a torcida rumo ao caneco.

Política

5 de abr de 2009

Bem-vindos ao Código Penal


Hector Plasma

A prisão da Eliana Tranchesi e de seu irmão revelou outra face nefasta da elite econômica nacional.

Acostumados a seguir apenas os códigos de etiqueta do livro “Chic” de Gloria Calil, dessa vez a nossa brava elite esbarrou com o código penal. Antes tarde do que nunca!

Esse código é um velho quase septuagenário, está em vigor desde 01 de janeiro de 1942. Desde então, concorde ou não, é por ele que são punidos os crimes.

Até então ouvimos o quanto ele é brando em relação às penas, que bandido pode cumprir pena no máximo de 30 anos... E, se tiver bom comportamento, pode ter prisão relaxada após cumprir 1/6 da pena. Ou seja, até a prisão da Eliana, o crime compensava.

Mas no caso da pena dada a eles, a repercussão foi o contrário. Ao invés de reconhecer que a lei está, mais do que nunca, igual para todos - da Daslu à Daspu -, vários artigos e capas de revistas estamparam o exagero da pena, 94 anos e seis meses de prisão.

A imprensa nada mais fez que do que encampar a estratégia da defesa dos donos da Daslu.

Mas os indignados esquecem que o esquema corrupto que eles utilizaram para desembaraçar mercadorias na alfândega e sonegar impostos de inofensivas calças jeans são os mesmos utilizados para o contrabando de armas e drogas.

Sejam bem-vindos!

3 de abr de 2009

superstição fashion



Fernanda Pompeu

Até hoje tenho a conchinha surrupiada da praia do Lido. Brasileira que sou, uso como amuleto. Ela fica na base do meu monitor LG, 17 polegadas.
Quando eu a vi, fiz a cena: se Thomas Mann pensou nessas areias para escrever Morte em Veneza – na minha leitura, um dos mais belos livros – deixe eu pegar um fluidozinho local para inspirar minhas páginas ignorantes.
Naquela manhã, quando tomei o vaporetto, nas redondezas da Piazza San Marco, para o Lido, minha intenção era conhecer o hotel onde Luchino Visconti filmou Morte em Veneza – no meu olhar, um dos mais belos filmes.
Aprecio, no livro e no filme, a história do velho artista que se apaixona por um adolescente fulgurante e morre a melhor morte possível: sentado em uma cadeira de frente para o mar.
Segundo meu gosto carioca, o Hotel des Bains não é páreo para o Copacabana Palace. A praia do Lido é sombria e o Adriático não convida ninguém para esbaldar-se nele.
Mas isso são filigranas. Estar no Lido, reverenciando o livro de Mann e o filme de Visconti, foi uma emoção vigorosa. Leitora e cinéfila, que habitam em mim, ficaram orgulhosas.
Literatura e cinema – que banquete! Foi então que topei com a conchinha – pequenininha e feiinha – mas com um poder de evocação imenso.
Pronto. Termino este texto e toco no amuleto. Amanhã tem mais, ele diz.

G20 mas mantenha o respeito



Dr.Tupi

Em um ginásio de boxe qualquer em Londres.
Urgente, urgente meu povo eles e elas chegaram....... Os G20 estão aqui meus amigos de Londres..... Um dia já foram G5, depois G7 e agora os países mais poderosos do MUNDO resolveram deixar tudo mundo brincar, até a Argentina, e por isso eles e elas agora são o incrível, o fantástico, o super G20!!!!!
Do meu lado esquerdo não se assuste amigos ele e magrinho, ta sempre rindo mas ele chegou com toda a forca de um campeão, trouxe para cá duas limousines anti míssil e anti guerra nuclear, uma geladeira anti-fome mundial, uma cozinheira anti-imigracao, e 14 estagiarias anti-Bill Clinton, não poupando esforços para mostrar que seu pais esta pronto para cortar gastos desnecessários e apoiar a questão do meio ambiente aqui esta Barack Obama!!!! E do meu lado direito o destemido, meticuloso, apaixonado por queijos e top models, ele venho para brigar mais se a luta não for do seu jeito ele sai andando, o fantástico presidente de jardim Nicolas Sarkozy. A luta começou, Obama mexe de um lado, mexe do outro, Sarkozy olha para Obama, e Obama vai para cima e...... Sarkozy não esta nada feliz e sai andando...... Bem esse e o final de mais uma luta, não se esqueça que amanhã teremos a luta mais esperada, de um lado o incrível, aquele que diz o que pensa e não manda escrever, o magnífico Lula contra o nada sorri dente, puro gelo, o gigante Gordon Brown e seu amigo Banco Mundial.....
Um grande abraço para os amigos e amigas e ate o próximo encontro. E não se esqueça de convidar os amigos, traga seu coquetel molotov, sua bandeira de Che Guevarra e venha participar dessa festa!!!

2 de abr de 2009

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

15-Dos burros que leram muito...

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

14-Didática.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

13- Um papa no assunto.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

12-Vaidade intelectual 3.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

11-Plano de carreira.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

10-De fato.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

9-Vaidade intelectual 2.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

8-Vaidade intelectual 1.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

7-O pitaco de cada um.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

6- Um debate acalorado.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

5- Um bom debate.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

4- Rigidez intelectual.

1 de abr de 2009

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

3-Verborreia

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

2- A especialidade: um fim em sí mesmo.

Ah!cademia! Memórias de um ciclo de debates.

1- uma banca multidisciplinar.